Discografia

Nó Central (Álbum)

No álbum “Nó Central”, o duo Forró Red Light, cuja missão é transpor o forró tradicional para o mundo da música eletrônica contemporânea, faz uma imersão no universo atual da música do Distrito Federal. O álbum conta com a participação de 11 artistas de diversos estilos e gerações, figuras consagrados e expoentes de Brasília, formando um recorte temporal da música da nossa capital. O disco segue a linha da busca da mistura perfeita entre moderno e tradicional, já trilhada nos lançamentos anteriores do duo, Regional Digital Lumiado, Mirai No (Massa Records) e Tropeiros Trópicos (Gop Tun). Aqui tem ragga com baião, dancehall com frevo, reggaeton com xote, ciranda com guitarras havaianas, xaxado com samplers de velhos vinis. Este é um valioso trabalho de divulgação da cultura local e um registro sonoro atual da música de Brasília.

Produção musical e mixagem: Forró Red Light
Elaboração e gestão administrativa: Márcia Gomes e Hugo Gomes
Masterização: Eduardo Kolody (@casadochaestudio)
Ilustração: @leonardo_hss
Design gráfico: @micadesignecultura
Participações: Duo Alvenaria, Haono, Chinelo de Couro, Batidão Sonoro, Dudu Maia, Dona Gracinha da Sanfona, Sistema Criolina, Martinha do Coco, Jahcareggae, Renato Matos, Batukenjé

Tropeiros Trópicos (Gop Tun Records)

Tropeiros Trópicos é pensado na conotação da ampliação dos sentido que ganha a imagética de quem for ver. Quando formos dizer Tropeiros Trópicos vamos lançando no ar a provocação, de decodificação dos signos. Na fonética a idéia é abrir o sentido para a percepção de um trote, do galope de um cavalo. E para o entendimento da semântica está embutido o duplo sentido também. Na significação que a princípio, pode ser entendida como esse contraste de ser um Tropeiro da região dos Trópicos, um símbolo desse sertão da região central, desses Geraes místicos, das profundas matas e ribeirões, que traz em sua história essa dialética de pertencer a um povo esquecido, a uma região de tantas riquezas ameaçadas e ainda inexploradas, em um país que é reconhecido quase que exclusivamente, em todo mundo por suas características geográficas litorâneas, e seu povo tropicalíssimo, de praia, samba e carnaval.

Produção Musical: Forró RED Light
Produção Executiva: Forró RED Light e Bruno Protti
Mixagem: Ramiro Galas e Geninho Nacanoa
Masterização: Arthur Jolly
Ilustração e Arte final: Tiago Botelho
Participações: Samuel Torres, Haono, Mãe da Lua

Eixão Surregional (Single)

Nas passadas dos tropeiros, nos rastros e nos chêro dos encantos dos Geraes. Um vento passou e alumiou: Os Knob, os nobre, os pad, os pão. As launch, as lenha, os control, os chão. Os pássaro, os beat, carreado de punch pras panela. Tudo banhado nas canela… De ema e rodado nos botão. Avisa aí então! Que por essas trilha, mata virgê, povoado, nos reino dos encantado, nos lombo das mula, dos jegue, dos cavalo, nossas tropa tá chegando, ou vai chegar também. Vento dos paial… Soprando veios, veias, vias, rios ruas casas, pe de ouvido, arraial. Eixão Surregional !!! Pelas asas de um trem. De onde se vai pra onde se vem.

Geninho Nacanoa: Composição, Produção, Arranjo e Produção Musical, Edição, Mixagem
Ramiro Galas: Arranjo e Produção Musical, Samplers, Edição e Mixagem

Masterização: Dudu Maia
Participação: Ken Pontes – Guitarra e Instrumentos Virtuais
Participação especial: Renato Matos – Voz e poema incidental (Eixão)

Ilustração e arte final: Tiago Botelho

Agradecimentos:
Estúdio Prato e Tambor: Registro de voz (Renato Matos)
Erick Naves (Cakewalk Soundcenter)
Sample – Sheik Tosado

Mirai No EP (Massa Records)

Em Dezembro do ano passado [2018], eles lançaram o EP Mirai No pelo selo brasileiro Massa Records, que é dirigido por Renato Cohen e Fernando Moreno. Na ocasião o produtor britânico Hammer, dono de releases em selos como Feel My Bicep, Hotflush Recordings, 17 Steps e Glasgow Underground contribuiu com um remix para a faixa Aboiadao. Longe dos esteriótipos que pairam sob a música eletrônica de pista, Geninho e Ramiro encontraram uma linguagem própria e deliciosa para comunicar as bases do Forró RED Light, que em 2019 deve rodar por algumas das pistas mais importantes do país.

Texto: http://alataj.com.br/who/forro-red-light

Regional Digital Lumiado EP

Quando recebi o pedido de escrever uma resenha sobre um som que ainda não tinha escutado, fiquei ao mesmo tempo curioso e inseguro por não saber o que ia colocar em meus ouvidos. Poucos minutos depois do play, uma guitarrada enfumaçada transformou tudo e já estava batendo o pé, curioso pelas próximas 5 músicas desse EP que traz influências claras do baião, do maracatu e belas melodias, com músicas para tocar no baile e outras servir de trilha sonora para dias ensolarados. Regional Digital Lumiado traz 4 composições autorais e 2 remixes muito bem produzidos: Bobo da Corte de Alceu Valença e Manto dos sonhos de Renata Rosa, que fecha o EP numa bela e etérea despedida, que nos deixa a certeza que o “arrasta pé do futuro” já é o presente, o agora, vida longa ao Forró Red Light!
Bruno Vieira Batista

Forró Red Light:
Nacanoa: idealização, concepção e produção.
Ramiro Galas: gravação, produção e mixagem.
Participações:
Pedro Vaz: criação e execução dos arranjos de viola caipira nas faixas 2 e 5.
Samuel Torres: criação e execução dos arranjos de guitarra, na faixa 1, e caixa acústica.
Eduardo Kolody: masterização
Desenho da capa: Téssia Araújo